Como nasce o mergulho


Photo by Jan Traid on Unsplash

Engana-se profundamente quem pensa que a história do mergulho começa com as descobertas de Cousteau…


Existem registros comprovados de que há 6500 anos o homem já criava acessórios para suas incursões ao mundo sub-aquático. Alexandre o Grande utilizava “mergulhadores” em suas ações militares.

Os primeiros registros do homem tentando desvendar os segredos e mistérios das profundezas são muito, muito mais antigas do que a maioria pode imaginar e até mesmo acreditar. A evolução do mergulho aconteceu muito lentamente, em 1531 Gugliemo de Lorena projetou o primeiro sino de mergulho (que recebeu este nome pela aparência. Era um cone voltado com a sua abertura para baixo e com sua extremidade superior selada, armazenando ar no seu interior. Isso permitia que os mergulhadores em apnéia voltassem ao sino para renovar seu suprimento de ar e primeira “roupa de mergulho” foi construída em 1715 por John Lethbridge e era de madeira(!). Isso mesmo, de madeira. Resistia até os 20m de profundidade.


Daí fazemos um salto de 100 anos para poder ter um avanço tecnológico significativo no universo do mergulho. No inicio do século XIX os irmãos Deane adaptaram um capacete utilizado em minerações para o mergulho. Surgia então a era do escafandro, que foi sendo cada vez mais adaptado e melhorado. Em 1839 Augustus Siebe criou o primeiro traje impermeável, utilizando um sistema de fixação do escafandro à roupa. Em poucos meses sua invenção estava sendo fabricada aos milhares, e permaneceu inalterada pelos próximos 100 anos. Algumas delas continuam em uso até hoje ! Pouco tempo depois foi a vez de Rouquayrol e Denayrouze, que desenvolveram sistemas de bombeamento de ar e o primeiro sistema autônomo de mergulho. Ambos utilizando máscaras tipo “full face”, no segundo e mais importante desenvolvimento da dupla, os mergulhadores podiam em mergulhos mais curtos e rasos utilizar o ar armazenado em pequenos cilindros. Os primeiros protótipos foram construídos em 1872. Em um museu francês ainda é possível encontrar uma amostra desse equipamento, e em funcionamento! (nap descobrimos qual é esse museu, mas conhecemos o MusaMexico, que vale muito a pena - então se você for pra la, compartilha foto nas nossas redes, com a hashtag #RecantoDosLimaCultura vamos ficar felizes)


Você deve estar pensando: ...mas e o Cousteau? Calma, que ele ja aparece.


Vamos seguindo....nesta mesma época(mil oitocentos e la vai), os primeiros trabalhos científicos sobre descompressão começaram a surgir através das experiências de Paul Bert, que pode ser considerado o “pai da medicina hiperbárica. E aí sim, com novos equipamentos, compressores mais potentes e o estudo sobre medicina hiperbárica, o homem estava pronto para começar explorar o fundo do mar, com muito mais segurança.


Em 1906, ja na “Era do Escafandro”, foi criado um comitê especial pela Marinha Inglesa para investigar um grave problema: casos de Doença Descompressiva, que ainda era compreendida por poucas pessoas e via os casos se tornavam mais e mais graves, pelo fato do grande aumento da exploração submarina utilizando o modelo de escafandro que ficou anos e anos sem sofrer modificações significativas. O líder do comitê era o professor John Scott Haldane, que foi o responsável pelo famoso “Modelo Haldaniano”, utilizando fórmula de cálculos e tabelas de descompressão que são utilizados até hoje em alguns computadores de mergulho. Através de Haldane, foram desenvolvidos novos equipamentos e compressores, além de câmaras hiperbáricas e o conceito de descompressão em estágios.


Dez anos depois disso (1916) estreou nos EUA o filme “20.000 Léguas Submarinas”(veja logo aqui em baixo), apresentando ao grande publico, pela primeira vez, o contato com o mundo submarino( Sim , mais uma vez, a historia real não é a que acreditávamos e o Sr Julio Verne chegou depois, lá em 1954, sendo o 2º da lista)

Quase quarenta anos antes de Julio Verne, os irmãos Williamson utilizaram escafandros para produzir a primeira versão, com cenas que certamente impactaram o publico! Nesse processo, eles descobriram que precisavam “libertar” os mergulhadores, e a espera não foi muito longa. Em 1943 dois franceses finalmente cortaram os cordões umbilicais que mantinham os mergulhadores ligados a superfície. Costumo dizer que foi exatamente nesse momento da história que Jacques Yves Cousteau e Emile Gagnan inventaram todos nós, mergulhadores da era do Aqualung, nome dado ao primeiro equipamento autônomo de mergulho.


O Cousteau(finalmente ele surge na historia) fez varias tentativas e por bastante tempo para encontrar a maneira de reduzir a pressão de ar dos cilindros a uma pressão ambiente, onde pudéssemos respirar com facilidade. Foi então que o seu sogro, diretor da Air Liquide sugeriu que ele falasse com o engenheiro Emile Gagnan, que estava trabalhando em uma válvula redutora de pressão para ser utilizada em veículos movidos a gás(mais uma coisa que levaríamos mais de século para popularizar...). Então Cousteau realizou um mergulho histórico no Rio Marne, nos arredores de Paris, e assim, de forma simples, o Aqualung foi desenvolvido!!! Pouco tempo depois já estava sendo produzido em série e exportado para todo o mundo.(Uhuuuuuuuuuu!)


Por 50 anos ele encantou o mundo com suas imagens submarinas, com seus documentários e sua luta incondicional pela defesa do meio ambiente, com certeza, é a maior lenda do mergulho. Logo abaixo segue o trecho final de um de seus textos…


“Quando vamos até o fundo do mar, descobrimos que alí jamais poderíamos viver sozinhos. Então levamos mais alguém. E esta pessoa, chamada de dupla, canga, companheiro ou simplesmente amigo, passa a ser importante para nós. Porque além de poder salvar nossa vida, passa a compartilhar tudo o que vimos, tudo o que sentimos. E de duplas, passamos a ter equipes. E estas equipes passam a ser cada vez mais unidas. E assim entendemos que somos todos velhos amigos, mesmo que não nos conheçamos. E esse elo que nos une é maior do que todos os outros que já encontramos. E isso faz de nós mais do que amigos, faz de nós mais do que irmãos. Faz de nós… MERGULHADORES”. Jacques Yves Cousteau


Modalidades de mergulho:

  1. Mergulho Recreativo Turístico e de Lazer

  2. Mergulho Técnico

  3. Mergulho livre / Apnéia / Snorkeling

  4. Mergulho Profissional/Resgate

Oferecemos pacotes de mergulho em parceria com varias escolas e instrutores, tendo sempre em mente o respeito pelos alunos (com a segurança) e pelo mar; oferecendo instrumentos (desde aula teórica, ate equipamentos), para que essa maravilhosa viagem ao fundo do mar seja a realização de um sonho seguro.


Fonte: Wikipedia, Pedro Paulo Cunha, nossa experiencia


Praia de Matariz

Ilha Grande

Angra dos Reis-Rio de janeiro